Mudanças na produção energética no RN provoca reflexos na economia

Mudanças na produção energética no RN provoca reflexos na economia

Com posição de destaque na economia do Rio Grande do Norte, o segmento da energia vive hoje um momento marcante da história do estado. De um lado, verifica-se um ciclo de expansão nos segmentos de energia eólica e fotovoltaica, o que deverá mais que dobrar a capacidade de geração de eletricidade a partir do vento e do sol nos próximos três ou quatro anos. E, de outro, a retração da produção de petróleo e gás natural, com a saída da Petrobras das atividades na área. Ou seja, há previsões positivas, mas também uma expectativa muito negativa, tendo em vista o papel que a estatal de petróleo exerce sobre a economia e a sociedade potiguar, em especial para o mercado de trabalho.

Este é o cenário apresentado no estudo “As mudanças no setor energético do Rio Grande do Norte e seus impactos econômicos e sobre os trabalhadores”, realizado pelo Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (Ineep) para a Central Única dos Trabalhadores (CUT). Entregue à entidade na última terça-feira (27/04), a pesquisa é o ponto de partida para a construção de um plano de ação sindical e de diálogos tripartites entre trabalhadores, empresários e governo do Rio Grande do Norte.

Desenvolvido pelos pesquisadores do Ineep Ana Carolina Chaves e Henrique Jäger, o trabalho destaca o impacto negativo da redução da atividade da indústria de óleo e gás natural, faz projeções positivas para o papel das energia eólica e fotovoltaica e aponta os desafios econômicos e para os trabalhadores com as mudanças na região.

Futuro

De acordo com o estudo, as oportunidades de investimentos em energia solar e eólica são crescentes, diante do alto grau de radiação solar e de velocidade de vento no estado. Revela que os parques eólicos que contribuem hoje com 4.156 MW na geração de energia local passarão a 7.296 MW em periódo de três a quatro anos. Já as usinas fotovoltaicas, que participam com 117 MW, chegarão aos 421 MW.

São dados significativos, considerando-se o papel que estas fontes exercem na matriz energética do Rio Grande do Norte: a energia eólica tem uma participação de 89%, enquanto a geração térmica contribui com 10% e a solar com 2%.

A expectativa, segundo o Ineep, é de que os investimentos em expansão da rede de energia fotovoltaica somem cerca de R$ 2 bilhões, nos próximos três anos, levando-se em conta os empreendimentos que vão produzir para as concessionárias de energia.

No entanto, segundo o estudo do Ineep, tanto na indústria de energia eólica quanto na fotovoltaica os empregos são gerados, na sua maioria, durante o período de construção e montagem das unidades, que funcionam com poucos trabalhadores. Acrescenta também o fato de o Rio Grande do Norte não contar com indústrias de fornecedores de máquinas e equipamentos utilizados nos parques eólicos e fotovoltaicos, o que poderá levar a compra destes produtos em outros estados ou países.

Retração

Assim, ainda que tenha um lado positivo, o quadro que se apresenta para o futuro não é suficiente para minimizar os impactos negativos do processo de privatização dos ativos da Petrobras no Rio Grande do Norte onde a estatal já teve operações verticalizadas (vai das atividades de exploração e produção à distribuição nos postos). A produção de petróleo, em bacias terrestres e marítimas, chegou próximo aos 30 milhões de barris, em 2000, e caiu para cerca de 15 milhões de barris, em 2019. Já a de gás natural, que esteve próxima a três milhões de barris em 2004 passou para 818,8 mil em 2019.

Ao final de 2020, a Petrobras ainda respondia por 67% da produção de petróleo no Rio Grande do Norte e por 41,6% de gás natural. As parcelas restantes são resultados de operações de empresas privadas para as quais a estatal vendeu os ativos em exploração e em produção. Segundo o estudo, um novo ciclo da indústria de óleo e gás natural ainda poderá ocorrer, mas vai depender do sucesso da exploração no litoral, tendo em vista o desgaste natural dos campos terrestres. E também estará condicionado às apostas das empresas que substituem a Petrobras, que por serem de menor porte têm capacidade de investimento inferior ao da estatal.

Fonte: Ineep           

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *