Entidades feministas se calam diante de agressão sofrida pela vereadora Marleide Cunha

Entidades feministas se calam diante de agressão sofrida pela vereadora Marleide Cunha


“Não tenho medo de ninguém, principalmente da senhora. Pode gritar, latir, que não tenho medo”. As agressões proferidas pelo vereador Raério Araújo(PSD) contra a colega de plenário na Câmara Municipal de Mossoró, Marleide Cunha (PT), ainda ecoam nas redes sociais e rodas de conversas de diversos segmentos.
Passados exatos três dias, não se tem notícia de qualquer pronunciamento, ou nota de repúdio de qualquer entidade feminista ou liderada por mulher se pronunciando sobre a agressão verbal sofrida pela parlamentar. Infelizmente, em Mossoró, entidades como a Ordem dos Advogados do Brasil(OAB), Subseção Mossoró, que tem como presidente, Barbara Paloma, Centro Feminista 8 de Março(CF8M), Núcleo de Estudos sobre a Mulher (NEM), coordenado pela professora Dra. Suamy Soares, continuam caladas
As agressões verbais proferidas por Raério contra a vereadora Marleide Cunha, são muito graves, inaceitáveis, absolutamente incompatíveis com o cargo para o qual foi eleito pelos mossoroenses.
O vereador tem se tornado um mestre na arte de agredir verbalmente as pessoas durante suas falas em plenário. Seja contra os próprios colegas, seja contra jornalistas, ou quem quer que seja.
Na Câmara Municipal de Mossoró ninguém tem o direito de criticá-lo porque em seu universo minúsculo e finito, erro não faz parte do vocabulário.
O linguajar de Raério continua sendo o de quem não possui argumentos, usando em sua defesa, bravatas e ameaças.
E no momento em que a sociedade se mobiliza contra esse tipo de comportamento, principalmente contra as mulheres, incompreensível entender o silêncio de tantas mulheres com força e representatividade n a sociedade mossoroense, diante desse fato.
Até mesmo a postura de colegas de parlamento foi quase imperceptível. Larissa Rosado fez breve menção em uma de suas contas nas redes sociais. Carmem Júlia, nem isso.
Aguarda-se o pronunciamento dessas mulheres de força.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *